Herdade de Pegos Claros – A tradição do Castelão a 2 passos de Lisboa

Desde 1920 com castelão plantado, é nos anos 90 do passado século que os Vinhos da Herdade de Pegos Claros começam a dar nas vistas, com algumas colheitas míticas como 1993 ou 1995 com grande reconhecimento tanto a nível nacional como internacional.

São 40 hectares de Castelão, a 50 minutos de Lisboa, em Santo Isidro de Pegões. A maior vinha contínua de Castelão na Região DOC Palmela, que hoje continuam em solos arenosos a produzir Vinhos de grande qualidade.

A vinha está integrada numa propriedade com uma área total de cerca de 540 hectares, onde podemos encontrar sobreiros e pinheiros mansos explorados num modelo de gestão florestal responsável, em respeito pelos recursos naturais, ecológicos, sociais e ambientais locais.

Vinhas com cerca de 90 anos - solos arenosos.

Vinhas com cerca de 90 anos - solos arenosos.

Em 2017 a Herdade de Pegos Claros, conduzida pelo José Miguel Gomes Aires (Terrateam) e pelo Enólogo Bernardo Cabral, ousou e lançou um branco de Castelão – Blanc des Noirs -  que se vem juntar aos três Tintos e ao Rosé.

Aqui a vindima ainda é manual, pisa pé e fermentação em lagar aberto.

Pisa a pé  em Pegos Claros

Pisa a pé  em Pegos Claros

 

 “A colheita é feita de forma manual, não há mecanização, sendo as uvas carregadas em cestos de 20 kg, seguindo para o lagar aberto (uma bateria de 5 lagares) para fermentação, com a primeira pisa do vinho feita sempre a pé e depois o estágio em barricas de carvalho francês e americano”. “Pegos Claros” é “um vinho diferenciado, não é de consumo de massas nem está nas grandes superfícies”, sendo um “produto de gama superior”.

As vinhas de Pegos Claros, variam entre os 30 e os 90 anos, sendo os lotes feitos à medida da necessidade de cada gama, predominando no Grande Escolha, uvas vindas das mais antigas vinhas da Herdade.

Castelão - É uma das variedades mais cultivadas no sul do país, sendo particularmente popular nas denominações do Tejo, Lisboa, Península de Setúbal e Alentejo. É em Palmela, nas areias quentes do Poceirão, nas vinhas velhas da região, que a casta dá o melhor de si, desenvolvendo-se melhor em climas quentes e solos secos e arenosos. Em vinhas maduras, de baixa produtividade, devidamente controladas, o Castelão dá origem a vinhos estruturados, frutados, com particular incidência na groselha, ameixa em calda, frutos silvestres, apresentando ainda notas típicas de caça mortificada. Proporciona vinhos de taninos proeminentes e acidez intensa, revelando um lado rústico de que o Castelão raramente consegue descolar. Os melhores exemplares prometem excelente capacidade de envelhecimento.

 

 Os Vinhos de Pegos Claros voltaram ao seu melhor nível e hoje temos Vinhos como o Pegos Claros Grande Escolha, altamente pontuado a nível nacional e internacional.

Colheita 2013

• Medalha de Ouro, Concurso deVinhos Portugal 2017 (Mai.2017)

• 91+ pontos / eRobertParker.com(Abr.2017)

• 17.5 pontos / Revista Vinhos(Mar.2017)

• 16.5 pontos / JancisRobinson.com, review by Julia harding (Fev.2017)

• 18.5 pontos / Revista Wine (Dez.2016)

• 91 pontos / Wine Enthusiast (Dez.2016)~

 

Como está calor a sugestão são o Pegos Claros Rosé, acompanhamento perfeito para Sushi e o Pegos Claros Blanc des Noirs , um branco diferente e especial perfeito para acompanhar uma Salada de Camarão.